Alegria, alegria.

Enfim chegou o grande dia. Foram dois meses de planejamento e quatro horas de festa. Mas foi muito bom.

Papai e mamãe decidiram pelo tema Circo depois de verem as fotos do aniversário da Lulu. Era tudo muito colorido, alegre. A minha cara.

Foi então que começaram a pesquisar na Internet e decidiram fechar a decoração com a Luciana da Joana Festas. Ela tem uma proposta diferenciada e boa parte da decoração fica na parte de baixo da mesa, na altura dos meus olhinhos, um espaço que geralmente fica encoberto pela toalha.

Os porta-lápis que transformamos em centros de mesa e os porta-retratos que demos como lembrança, todos de madeira com palhacinhos de biscuit, foram feitos pela H`Art Biscuit.

Animação e buffet ficaram à cargo da Trampolim, que também mandou muito bem. O playbaby tinha muitos brinquedos legais e um mini pula-pula para as crianças menores, como eu. Os meus amigos mais velhos também curtiram o playbaby, mas puderam desfrutar de uma aventura mais radical na cama elástica.

O show de palhaços também agradou a todos. Até aos adultos. E eu surpreendi: não me assustei, fui no colo dos palhaços e assisti a todo o show prestando muita atenção.

Depois do show, foi a hora do parabéns. Ficaram todos em volta, olhando pra mim e cantando parabéns pra você. Fiquei um pouco encabulado, mas papai e mamãe estavam ao meu lado.

Mas a melhor parte da festa foi poder estar junto de familiares e amigos, meus e dos meus pais. Fiquei muito feliz com a presença de todos.

A agitação foi tanta que dormi muito mal à noite. Em compensação, no dia seguinte, dormi quase o dia todo.

Ah, obrigada pelos presentes. Foram muitos e a cada dia descubro uma novidade.

Um Ano Depois…

Aqui estou eu, agora já com um ano. Mamãe diz que tudo passou muito rápido, que outro dia ainda era um bebezinho que só mamava, chorava e dormia. Bem, continuo fazendo tudo isso, mas hoje em dia, durmo menos e, além de mamar, já como de tudo. Fora isso, continuo chorando, mas já comecei a falar. Ando, brinco, brigo, rio. Subo no sofá da sala, na mesa de centro, na minha caixa de brinquedos. Entro dentro do armário, da cômoda e embaixo do berço.

É… Foi um ano e tanto. Não sei dizer se passou rápido. Mas muita coisa mudou. Pra mim e pra minha família. Em especial, para papai e mamãe. Eles agora têm menos tempo pra eles e mais responsabilidades. Mas também têm mais alegrias. Se encantam e se emocionam com cada nova gracinha que faço. Agora temos uma micro família, da qual a bá Cida também faz parte, e isso nos dá uma tremenda felicidade.

Pra comemorar tudo isso papai e mamãe prepraram uma super festa, que aconteceu dois dias depois do meu aniversário. Sobre ela vou falar num outro post. Mas o dia D não poderia passar em branco. Então, no dia mesmo em que completei um aninho, fizeram um bolo com cachorro quente lá em casa só para vovós, tios, primos e dindos.

Este foi só o começo de um fim de semana muito agitado.

Primeiro Dia das Mães.

Este foi o primeiro Dia das Mães da Dedéia – é assim que eu a chamo. Ano passado eu estava na barriga ainda, me preparando para chegar.

Fomos todos para Cabo Frio e fizemos um churrasco para comemorar. Papai, ansioso, não conseguiu esperar pelo domingo e no sábado mesmo já distribuiu os presentes para mamãe e vovós. Mamãe ganhou flores e um pijama… E eu ganhei um igual.

Me diverti muito no jardim com meus primos e até jogamos bola. Eu também gostei de ficar conversando com os passarinhos.

(Antes de) Ser Mãe.

Recebi um texto lindo da Flavia Nesi, uma amiga do trabalho, sobre o que é ser mãe. O texto foi escolhido para ser lido na festa do Dia das Mães da escolinha de sua filha. Ela disse que todo mundo chorou. Eu  fiquei  emocionada quando li e resolvi repassar para minha mãe e algumas amigas. Muitas delas disseram que  também choraram ao ler o texto.

“Antes de ser mãe eu fazia e comia os alimentos ainda quentes.

Eu não tinha roupas manchadas.

Eu tinha calmas conversas ao telefone.

Antes de ser mãe eu dormia o quanto eu queria e nunca me preocupava com a hora de ir para a cama.

Eu não me esquecia de escovar os cabelos e os dentes.

Antes de ser mãe eu limpava minha casa todo dia.

Eu não tropeçava em brinquedos nem pensava em canções de ninar.

Antes de ser mãe eu não me preocupava

se minhas plantas eram venenosas ou não.

Imunizações e vacinas eram coisas nas quais eu não pensava.

Antes de ser mãe ninguém vomitou nem fez xixi em mim, nem me beliscou sem nenhum cuidado, com dedinhos de unhas finas.

Antes de ser mãe eu tinha controle sobre a minha mente, meus pensamentos, meu corpo e meus sentimentos.

… eu dormia a noite toda …

Antes de ser mãe eu nunca tive que segurar uma criança chorando para que médicos pudessem fazer testes ou aplicar injeções.

Eu nunca chorei olhando pequeninos olhos que choravam.

Eu nunca fiquei gloriosamente feliz com uma simples risadinha.

Eu nunca fiquei sentada horas e horas olhando um bebê dormindo.

Antes de ser mãe eu nunca segurei uma criança só por não querer afastar meu corpo do dela.

Eu nunca senti meu coração se despedaçar quando não pude estancar uma dor.

Eu nunca imaginei que uma coisinha tão pequenina pudesse mudar tanto a minha vida.

Eu nunca imaginei que pudesse amar alguém tanto assim.

Eu não sabia que eu adoraria ser mãe.

Antes de ser mãe eu não conhecia a sensação de ter meu coração fora do meu próprio corpo.

Eu não conhecia a felicidade de alimentar um bebê faminto.

Eu não conhecia esse laço que existe entre a mãe e a sua criança.

Eu não imaginava que algo tão pequenino

pudesse fazer-me sentir tão importante.

Antes de ser mãe eu nunca me levantei à noite a cada 10 minutos para me certificar de que tudo estava bem.

Nunca pude imaginar o calor, a alegria, o amor, a dor e a satisfação de ser uma mãe.

Eu não sabia que era capaz de ter sentimentos tão fortes.

Por tudo e apesar de tudo só posso agradecer por eu ser agora um alguém tão frágil e tão forte ao mesmo tempo.

Obrigada por permitir-me ser Mãe!”

(Elaine Mallika)

Doença de Mão Pé Boca

Este post foi tirado do blog As Aventuras de um Mamanhoco, do Tutu, filho da minha amiga e vizinha Lú Lobo. Mateus também teve esta doença. No seu caso tiveram bolinhas também na boca e ele ficou muito enjoadinho. Nem queria comer.

“Você já ouviu falar de “Mão Pé Boca”? Parece nome de brincadeira para a pré-escola, mas não é! É uma virose, muito chata!!! De uma hora para a outra começaram a aparecer umas bolinhas pelo meu corpo. Parecia uma reação alérgica a picada de mosquito.

A mamãe só descobriu que era isso quando outras crianças do meu condomínio também ficaram doentes. Foi um festival!!! As minhas reações foram suaves, eu não tive febre e nem estomatite. Só fiquei muito manhoso e sem apetite!

VIROSE – Síndrome Mão – Pé – Boca

É causada por um vírus chamado Coxsackie e os primeiros sintomas são: febre baixa, diminuição do apetite e o aparecimento de bolhinhas na boca, que rapidamente se transformam em feridas maiores do tipo úlcera e podem também aparecer nas mãos e nos pés. Daí o nome “doença da mão – pé – boca”.

Em alguns casos essas bolhinhas aparecem também nas nádegas. A transmissão se dá pela via fecal – oral, isto é, através da ingestão do vírus por mãos sujas, alimentos mal lavados ou mal cozidos que tiveram contato com fezes contaminadas. Logo, não há necessidade de isolamento da criança, desde que observadas condições mínimas de higiene para evitar a transmissão, que ocorre como explicado anteriormente; deve-se apenas observar seus contactantes.

O tratamento é sintomático medicando a criança para febre, oferecendo líquidos à vontade e deixando-a repousar até que os sintomas melhorem e a criança possa retornar às suas atividades normais.”

 Fonte: http://www.clinkids.com.br

Lanchinho para mamães.

O Dia das Mães está chegando e, como não poderia deixar de ser, teve festa no meu prédio.

Com a eterna liderança da Tia Lú, as babás preparam tudo com muito carinho para receber todas as mamães do prédio. Tinha decoração especial com um varal de fotos das mamães e “bás” com seus filhotes e  brindes para elas. Tudo, é claro, idéia da tia Lú, que, aliás, além de uma ótima organizadora de eventos, é também a fotógrafa oficial do Villa Leone.

As babás prepraram uma homenagem especial à Tia Lú, a mãe das mães, e entregaram um buquê de flores do campo.

Mamãe saiu mais cedo do trabalho para poder is  à festinha, que contou também coma presença da vó Loló. Vó Gina não pode ir. O papai chegou no final. E bá Cida, minha mãe preta, também estava presente.

Hotel Fazenda.

Um fim de semana destes fui pela primeira vez a um Hotel Fazenda. Além de papai e mamãe, foram duas amigas do trabalho do papai: tia Cris e tia Simone com a Gabi. O hotel, que se chama Villa Forte, fica em Itatiaia e foi uma fazenda de café numa época em que nem papai e mamãe sonhavam nascer.  

Não preciso nem dizer o quanto gostei. Tinha piscina, fazendinha, charrete, carro de boi, lago com patinhos e comida muito gostosa. Isso sem falar de uma ducha de água natural para onde eu não parava de olhar. No fim de semana em que fomos ainda estava rolando uma exposição de “au-aus” e tinha cada um mais esquisito que o outro. Pena que o Ploc não foi com a gente. Ele ficou na casa da bá Cida.

De dia o sol era forte e o céu ficou azul. À noite esfriava um pouco e pude colocar uma roupinha mais quente.

Já combinamos de conhecer outros hotéis assim. Como estarei maiorzinho vou curtir ainda mais.